opinião

O fardo dos “pais modernos”

Os pais do século XXI vêem-se a braços com vários dilemas, entre os quais: a conciliação do trabalho com o tempo em Família; abdicar ou não de alguns “luxos”, comuns antes do nascimento dos filhos; e no caso das mães, na impossibilidade de serem “super-mulheres”, a necessidade de optar entre a maternidade ou a progressão […]

opinião

A Distópica Direita Marxista

O salário mínimo é (…) uma rede de segurança, para evitar a queda das condições de vida de alguém que trabalha para um nível inaceitável. Não é possível assegurar a coesão social se tivermos uma parte considerável da população no limiar desse nível do aceitável.
Sabemos, no entanto, que não é essa a prática comum e na verdade, o salário mínimo tornou-se num valor perverso, demasiadas vezes o ponto de partida para uma negociação de emprego, ainda que qualificado.

conferência

Portugal Soberano

«Ao longo da nossa História, Portugal teve (…) sempre defensores de uma lógica integracionista (…). Procuraram a integração de Portugal em Espanha, e [defenderam] a ideia de que Portugal não teria sucesso de forma autónoma, (…) livre e (…) independente. Esses têm hoje os seus descendentes. Do mesmo modo que nunca acreditaram na independência de Portugal e que defenderam uma integração de Portugal em Espanha, também hoje não acreditam na independência de Portugal e defendem a anulação de Portugal numa lógica integracionista numa União Europeia.»

conferência

Família e Trabalho

«O 25 de Abril procurou e procura destruir Deus. Procurou, procura e tem alcançado o propósito de destruir a Pátria, (…) não apenas pela vergonha da descolonização (…) mas [também] através da intregração europeia (…). Mas há ainda um valor que tem sido esquecido: a família. A família é o elemento estrutural, natural da nossa sociedade. E a esquerda descobriu que a melhor forma de implementar os seus valores é destruindo a família.»

actualidade

Sem Direita, o Regime é coxo

Manuel Monteiro apontou um enviesamento ao sistema político português, salientando que “um regime que começa à esquerda e termina ao centro é um regime que lhe falta algo”.

“Houve uma época em que o CDS se afirmou claramente precisamente na ideia de que nenhum regime pode ser um regime estável se é coxo”