Sexo: nasço com ele ou constroem-mo?

Confesso publicamente, o que nunca pus em dúvida, que nasci sexuado, como toda a gente: na morfologia, na herança cromossómica, na bioquímica… Nasci assim, porque pertenço a uma espécie, Homo sapiens, que é gonocórica (tem o sexo em indivíduos distintos contrariamente aos hermafroditas) quer se queira quer não. Assim, na nossa espécie, é-se por nascimento, macho ou fêmea. E não há machos que são fêmeas ou fêmeas que são machos. Além disso, e para sublinhar esta característica, a nossa espécie apresenta um dimorfismo sexual nítido. A Natureza tem destas coisas. E são factos científicos que só obscurantismo ideológico quer dizer e impor o contrário.

Na espécie humana ou se nasce homem ou mulher, que é assim que chamamos ao macho e à fêmea desta espécie. E não são os olhares dos outros ou as diferentes culturas que nos tornam machos e fêmeas.

“ On ne naît pas femme, on le devient”
– Simone de Beauvoir

“Não se nasce mulher, tornamo-nos mulher”, segundo a bem conhecida frase da existencialista francesa, companheira de outro existencialista francês, Jean Paul Sartre. A mesma autora que assinou um manifesto, “ A Idade da Razão”, em que se defendia que não deveria haver idade mínima para se consentirem relações sexuais, uma verdadeira apologia da agora tão falada pedofilia que em Simone de Beauvoir e comparsas não merecem reprovação (se fossem padres ou freiras, outro galo cantaria!).

Nasce-se mulher.

Nasce-se homem.

Ser homem ou ser mulher não é um sentimento flexível e optativo. É uma condição biológica e antropológica.

Só o desprezo pela Ciência, ignorância e ideologia podem afirmar o contrário. Malabarismos ideológicos em moda querem impor-nos antropologias diferentes. A guerra está declarada contra a Ciência pela chamada “Ideologia do Género” de que Simone de Beauvoir foi pioneira na sua promoção.

E a moda está a impor uma cultura de “pernas para o ar”, perante o silêncio e a aquiescência de quem nunca deveria calar-se em denunciar este atropelo severo e subversivo da humanidade. Está já em marcha uma profunda e radical revolução, a revolução do “género”. Uma revolução fundada numa verdadeira falsidade. E podemos clar e ficar indiferentes?

Não é mulher quem quer mas quem assim nasce. Pode imitar, simular …

Não é homem quem quer mas quem assim nasce. Pode imitar, simular …

Pode haver, e há, mulheres e homens que não querem aceitar a sua identidade biológica e as suas consequências. Tal não modifica a sua identidade biológica (já alguém viu uma mulher com cancro na próstata ou homem com cancro no útero?), as suas hormonas, a distribuição dos pelos…

Bem sei que as preferências pelo exercício e prática sexuais podem ser diferentes dos que lhe são inerentes, mas isso são práticas que contrariam a natureza e as trocam por prazeres e ilusão do que fingem ser: o homem e a mulher, e só eles, são complementares do ponto de vista sexual. Basta olhar para a anatomia de cada um como é mais do que evidente essa complementaridade. Há uma dualidade complementar: homem e mulher. Esta dualidade é fundamento da espécie e é-lhe inerente. Pode haver simulações, e há, mas não passam disso.

A Ciência moderna e as tecnologias médicas podem fazer muitas modificações na natureza e “construir” outra anatomia, mas não conseguem modificar, por exemplo, a arquitectura cromossómica e forçam artificialmente a alteração da bioquímica da espécie. Distorcem os fundamentos da Biologia. Dizer o contrário é obscurantismo que só a ideologia não quer ver.

Já se viu, por exemplo, o que se passa com outros animais como o peru ou o pavão, como a diferença na dualidade tão distinta é para a complementaridade!

Concluindo, abreviadamente: nasci homem e não foi nem a cultura nem a educação que me fizeram homem, ajudaram-me a sê-lo e a sentir- me bem com a minha identidade. Nem foi a sociedade e a cultura “ retrógrada” que me fizeram homem.

Nasci homem. Não me tornei homem!

Carlos Aguiar Gomes

2 thoughts on “Sexo: nasço com ele ou constroem-mo?

  1. Bom e esclarecedor artigo!
    Agora, o importante é fazer a sua divulgação, não só junto dos que estão connosco, mas também pela imensa massa desorientada e que está sendo manipulada pelos da sinsitra, pelo marxismo-cultural…especialistas no terroriso social!
    Irónico… e será que sabem que alguns dos seus ídolos, caso de Antonio Gramsci ou da Dolores Ibárruri (passionária) acabaram convertidos ao catolicismo e lamentando muito do que fizeram?

  2. O problema é que muitos intelectuais, cientistas, gente com responsabilidade governativa acham que a ciência pode ser alterada a seu belo prazer!!!!….e ainda criticam as experiências brutais que fazia o Sr Mendel, na altura da 2. GG!!!!….é a história do politicamente correcto!!!!

Comentários estão fechados.