Tendência volta a tentar a formalização

Esperança em Movimento, corrente interna do CDS, volta a entregar esta quinta-feira as assinaturas pedidas.

A Tendência Esperança em Movimento, corrente interna do CDS, volta a entregar esta quinta-feira as assinaturas pedidas para a sua formalização e para a apresentação da moção ao congresso, depois dos problemas formais da primeira tentativa.

“Com esta segunda recolha de assinaturas temos o compromisso de que a tendência será formalizada antes do congresso”, afirmou ao PÚBLICO o porta-voz da corrente, Abel Matos Santos. A tendência defende a necessidade de a “doutrina pragmática da acção política estar assente na doutrina” e de o partido sublinhar os seus “valores fundamentais”, acrescentou. Na moção que levam ao próximo congresso, os subscritores da tendência defendem a existência de um limite de mandatos dos deputados e uma escolha interna mais participada para as listas de deputados. É ainda proposta a “restrição de critérios de aquisição da nacionalidade portuguesa a não nascidos no território nacional e limitações ao divórcio por decisão unilateral de um dos cônjuges.