CDS vai ter lobby interno da democracia-cristã

por Sofia Rodrigues/Público

Elementos que pertenciam ao Movimento Alternativa e Responsabilidade (MAR), corrente interna do CDS que era opositora à direcção de Paulo Portas, estão a criar uma nova tendência, chamada, Esperança em Movimento, para “fazer valer os valores da democracia-cristã”, segundo um dos fundadores.

A tendência Esperança em Movimento pretende ser “um lobby dentro do partido” que “apresente soluções para o país e para o CDS que decorrem da democracia-cristã”, afirmou ao PÚBLICO Abel Matos Santos, que partilha a organização desta iniciativa com Luís Gagliardini Graça, que também pertencia ao MAR e é conselheiro nacional, e com Rafael Pinto Borges, membro da Juventude Popular.

Apesar de assumir que se trata de uma ala conservadora no partido – são contra a eutanásia, por exemplo -, o fundador assegura que não é essa a agenda prioritária. O desafio são as autárquicas e esse é precisamente o tema do primeiro debate organizado por este grupo. Com o título As melhores práticas autárquicas do século XXI, a conferência está marcada para dia 21 de Janeiro, terá a abertura de Carlos Carreiras (PSD), como presidente da Câmara de Cascais, e o encerramento será feito pela líder do CDS, Assunção Cristas.

Ao contrário do MAR, a nova tendência não se assume como uma força de oposição a Assunção Cristas. Mas Abel Matos Santos, também vice-presidente da concelhia de Lisboa, reconhece que esta corrente de opinião surge na sequência de um certo esvaziamento do movimento protagonizado pelo deputado Filipe Anacoreta Correia, após a saída de Paulo Portas. “Esgotou-se aí. A tendência Esperança em Movimento surge um bocadinho dessa necessidade”, afirmou o fundador, garantindo que, se houver divergências de opinião com a líder, as irá assumir.

A tendência Esperança em Movimento está a recolher assinaturas dentro do partido para se poder formalizar como corrente interna, ter lugar na comissão política e no conselho nacional, à luz do que está previsto nos estatutos do CDS. Essa formalização nunca aconteceu com o MAR que, segundo Abel Matos Santos, “era um movimento mais reflexivo”. “Nós queremos ser mais interventivos”, afirmou. Questionado sobre se a actual liderança está a falhar a afirmação dos valores da democracia-cristã, Abel Matos Santos rejeita a ideia, sustentando que este é “um movimento das bases” do CDS que quer “pensar” o partido. “Acho que Assunção Cristas só beneficiará. Não é um movimento contra ninguém”, afirmou.

Na declaração de princípios políticos, a tendência Esperança em Movimento refere que a democracia-cristã “especificamente favorece uma economia de mercado competitiva e a liberdade de escolha, (…) recusa a exclusividade do Estado como motor do desenvolvimento económico, mas defende um Estado forte, regulador e protector, (…) respeita a vida humana desde o momento de concepção até à morte natural”.